quinta-feira, 24 de março de 2011

Ambígua criança

Estranha cúpula
que me enclausura
insana e muda
apela e afoga
liberta e revoga
minha loucura.

Dar-lhe-ei minha vida
Dar-lhei-ei meus sonhos
ingrata, astuta.
Burla minhas vontades
e sobrepõe aos meus fulgazes
amores e temores.

Incompreensível tormento
de um alinhamento estranho
indescritivelmente humano
incalculávelmente palpável
involutariamente vivido
passado.

Escrever é a fuga
não arquitetada, marcada
com simetria aguda
e perfeita,
mas com a nostalgia sentida
e surrada
pelo que aflora de dentro
pra fora,
e o de fora rejeita.

Sua transparência
exergar-me faz todas as cores,
que embaraçadas formam
um distorsido compêndido
de pinturas , remotas
adidas de alma,
libertando-me do limbo,
sorrindo, cantando, sonhando...

Tudo que meu intrínseco grita
tudo que minha alma roga
tudo que você implora
numa desmedida e
incontrolável prece
Pode com certeza inferir
na dor que encurrala,
instaurar uma engênua esperança,
criança ambígua,
humana.

http://2.bp.blogspot.com/_69aX5otqgO0/TDO7kw6tFdI/AAAAAAAAAi8/LiXLifX-uPk/s1600/orando1.JPG

By: Pedro Felipe

6 comentários:

Cindy disse...

UALLL!!!
nossa Pedro, de uma escrita de da inveja a muitos que possuem conhecimento, e de uma profundeza de sentimentos...
você soube muito bem retratá-los, nos fazer sentir. e voltou-se para a construção do próprio poema, e suas dúvidas, que a nós todos assombra.
parabéns meu anjo!
apenas= Te amo!

Walter disse...

Parabéns, lindo poema!
Assim você vai longe...

Anônimo disse...

Noooossa, uma sabedoria e tantooo.. o que não é novidade de vc né amore?! Parabeeens.. vc vaai looonge como sempree uahsuahsuah
AMO-TE! beijoos / Priscilaaa Rodrigues =)

Iarinha disse...

Pedrinho parabens só Deus mesmo pra dá um talento desse.
Bjs. Vc é muito especial, talvez poucas vezes expressei mas vc é como um irmãozinho.
Iara Rafaele

Dija Darkdija disse...

Show, você é um poeteiro também, que nos temam os escrevinhadores, e nos temamos a nós mesmos. Também... a escrita é uma viagem. Você usou ela como rota de fuga. E se usar como arma pra enfrentar? Uma espada chamada pena e uma armadura poética de versos? Mudei todo o panorama. Enfim, deixe as minhas viajosidades quietas por aqui.

Anônimo disse...

Bem... o que posso dizer de palavras tão belas, profundas e singelas.
Chego a ficar sem palavras, diante deste maravilhoso dom que DEUS lhe deu, porque escrever qualquer um escreve, mas poucos conseguem fazer o leitor ler e sentir através de palavras tão sábias como as tuas.
Parabéns, querido amigo
é um lindo poema...
(Josiellen)

Postar um comentário