domingo, 21 de fevereiro de 2010

O moderno é “ficar”!?

Olá Galera....

Segue abaixo um texto muito interessante que achei no blog do Revolução Jesus (que recomendo). Ele fala sobre o "ficar" e o seu real significado. Espero que gostem...


O moderno é “ficar”!?

http://4.bp.blogspot.com/_VkKdZGq7u9Y/SLM-YeF9pYI/AAAAAAAAAWM/JSUhyU-c5D0/s320/castidade.jpg

Namorar parece que se tornou assunto de museu meio fora de moda, coisa antiga, e até mesmo, careta. O moderno é o “ficar”!

Tudo parece mais fácil, as pessoas se encontram mais ou menos, se atraem mais ou menos, se conhecem mais ou menos e ai surgi aqueles beijos (aqui não é mais ou menos não, é sempre mais)! Às vezes nem acontece muita conversa, já se vai logo para o “grande momento”. Em alguns casos de “ficantes” rola ainda um certo “dar satisfações”, retribuir telefonemas ou ficar algumas horas no MSN.

O que pode ou não pode é definido no momento, algo meio 2.0 de acordo com a vontade dos próprios “ficantes”. A duração do “ficar” varia: o tempo de um único beijo, a noite toda, algumas semanas. Ligar no dia seguinte ou procurar o outro não é dever de nenhum dos “ficantes”.

Mas quem fica com você? Quem permanece com você? Será que você já não perdeu alguém que valeria a pena? Será que não brincou e depois percebeu que na verdade em vez de ganhar, perdeu uma chance?E o resultado disso tudo foram mágoas e feridas? E quando bate aquela carência, uma vontade de ter alguém… a pergunta é: Cadê?

Neste texto não caio em moralismo, mas sim em provocação. O que buscamos nestes relacionamentos tão a lá fast food? Não seriamos muito mais que beijos na boca?

Acredito que o verdadeiro amor espera e a vida não é uma roleta russa onde tenho várias tentativas tipo, “a que sobrar é a melhor”. Acredito que o amor é conquista, é tempo, é sentido!

Todo relacionamento deixa marcas. Seja um “ficar” de um dia ou um namoro de cinco anos. Lembro-me ainda do meu primeiro beijo. Um misto de conquista e frustração.

Não seria mais interessante conduzir os sentimentos do que deixá-los me conduzir?

Eu desafio você a não despertar o interesse de uma mulher ou homem enquanto você não tiver interesse de amá-la (o) de se comprometer com ela (e). Quando se fala em dar ou comprometer-se, damos um passo atrás. Nós temos medo. Nós hesitamos.

Como disse o Papa João Paulo II: “A pessoa que não se decide a amar para sempre vai achar muito difícil amar realmente, nem que seja por um só dia”.

Posso parecer antigo, mas sou mais namorar à ficar! Afinal, gosto de coisas que tem valor! Por isso gosto de pessoas, pois as pessoas têm valor!

Castidade é isso, é viver o amor que espera! Espera meu tempo e o tempo do outro!

Por isso te peço pra esperar até semana que vem, quero aprofundar nas conseqüências deste tal “ficar”. Mas deixe seu comentário com suas dúvidas, o que acha afinal de contas o assunto merece uma atenção não é?

Tamu junto!

Adriano Gonçalves (@revolucaojesus)

2 comentários:

wellington disse...

Achei super intereçante a matéria, mas sobre mim é o seguinte, "Faça oq digo, mas ñ faça oq eu faço!"
Abrass' amigo
FikcomDeus

lais disse...

a matéria tah ótima.
quero ler mais!
beijos.

Postar um comentário